A perversão da selfie não selfie

Está cheio de textão por aí berrando aos quatro ventos para que não acreditemos na felicidade compartilhada nas redes sociais. “Ninguém é tão feliz assim”, dizem o que eu já sei, e você também. Tudo bem. Eu entendo que repetir para nós mesmos que a vida do outro não é tão perfeita quanto parece é uma estratégia de proteção. É o que precisamos fazer para não achar nosso dia a dia sem graça, para não pensar que o mundo inteiro goza dos prazeres da vida à cada esquina enquanto estamos em casa comendo lasanha congelada e assistindo pela 10a vez o mesmo episódio de Friends.

Mas nada disso me surpreende. Há centenas de anos a gente usa fotos nossas para exibir pro mundo (em diferentes escalas) o quanto nossa vida é maneirona. Então, deixa a felicidade dozotro pra lá e vem comigo discutir algo muito mais intrigante.

Que mania é essa que as pessoas têm em postar fotos de si que parecem tiradas de forma espontânea por outro? O que leva alguém a te entregar uma câmera e dizer: “tira uma foto minha de costas aproveitando o momento”? Que tipo de perversão faz com que você eleja um fotógrafo para se comportar como um falso admirador, que não aguentou te ver mexendo nos cabelos ou dançando e teve que registrar o momento? Isso só pode ser um fetiche.

A verdade é que gente posta foto nossa, sendo linda e maquiada, pra que nossos amigos (e talvez uma meia dúzia de desconhecidos) cliquem no botãozinho como se dissessem: “considere-se admirado”. Legal. É legal ser admirado e é isso que a gente quer, uma massagenzinha no ego não faz mal a ninguém. Mas os likes não bastam? Ou você acha que é pedante demais dizer “olha pra mim que hoje eu estou me achando bonita” e prefere criar uma falsa narrativa na qual você é o personagem observado?

É como pedir para alguém dizer a um terceiro o quanto você é incrível e ficar feliz com o elogio recebido. É como se você redigisse sua biografia não autorizada e mandasse alguém assinar.

É como falar de si mesmo na terceira pessoa. E todo mundo sabe o quanto isso é insuportável.

Anúncios

Um comentário sobre “A perversão da selfie não selfie

  1. Maoeeeeee eu adorava comer lasanha congelada vendo o mesmi episódio de Friends pela décima vez!! Faz parte das pequenas e simples coisas da vida que dão alegria. A menos que a pessoa seja depressiva, mas aí ela vai ser depressiva também comendo um croissant com chocolate num bistrô em Paris.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s