Em 2015, ninguém “tem que” nada

Quando o assunto é “regra”, sempre fui a favor da máxima que diz que ela deve ser cumprida. Fui criada assim. Apesar de pais bastante liberais e que fizeram questão de estimular meu poder de argumentação (para orgulho e desespero deles), toda minha infância e adolescência foi baseada nas obrigações que tinha que cumprir, no que era meu direito e no que era meu dever. Por mais que meus pais permitissem que os deveres diários fossem questionados, jamais abriram mão de dizer: “Você pode discordar e até ter razão, mas obrigação é obrigação”.

rules

Levou alguns anos, algumas dores e inconsistências, um divórcio e toda a sensação de independência, para que eu finalmente lesse a frase “toda regra existe para ser quebrada” e não achasse uma total estupidez. Ainda não concordo com ela, mas tudo mudou.

Posso dizer que a coisa mais valiosa que aprendi em 2014 é que regras existem para serem repensadas, atualizadas e reformadas sempre que possível. Quanto mais você entende o porquê, o contexto e o objetivo de uma regra, mais você é capaz de quebrá-la com maestria, educação e gentileza.

2014 foi o ano em que escolhi minhas causas a defender e amar, com unhas, dentes e paciência. Ainda não sei o que veio antes: a paixão pelas causas ou o novo entendimento das regras, mas sem dúvida as duas coisas estão diretamente ligadas.

Em geral, as regras existem para que possamos viver de forma organizada e justa, para que tenhamos uma orientação na hora de fazer escolhas que funcionem melhor, para nós e para a sociedade. Mas inúmeras delas foram criadas em fundamentos que, hoje, já não fazem sentido algum. O que é antigo e ultrapassado deve ser discutido e enfrentado.

Em 2014, aprendi que:
– Nenhuma mulher tem a obrigação de ser ou fazer qualquer coisa simplesmente pelo fato de ser mulher. Nenhuma mulher precisa ser mãe, ou usar saia, ou ser guerreira, ou ser mil e uma utilidades, ou casar, ou ser feminina, ou ter cabelo comprido, ou ser delicada, ou ser forte. Nenhuma mulher precisa ser bonita, ou malhar, ou se preocupar com a alimentação, ou cuidar de ninguém, ou usar brinco, ou gostar de rosa, ou gostar de homem. Nenhuma mulher precisa fazer alguma coisa que não deseja, simplesmente pelo fato de ser mulher.

– Ao mesmo tempo, aprendi que toda mulher também tem o direito de querer ser mãe, dona de casa, de paparicar o marido, de cozinhar e cuidar da família. Tem o direito de só se achar bonita de saia, de batom vermelho e cabelo arrumado. E, se puder, tem o direito de não querer trabalhar. Ninguém é menos feminista por causa disso. Nenhuma regra social deve impor algum dever à mulher, se a regra for baseada no argumento de que ela é mulher.

– Em termos de consultoria de imagem, aprendi que devemos abrir mão de palavras castradoras de auto-estima. “Emagrecedor”, “disfarce de silhueta”, “vulgar” e “engordativo” são palavras que classificam a pessoa através dos nosso olhar e só prejudicam a construção da auto-imagem do outro. Não somos nós que dizemos quem o outro deve ser ou parecer, certo? Não existe nada nem ninguém no mundo que pode te dizer o que usar. A única coisa que guia o que você pode vestir é o dresscode (leia aqui sobre a única regra que não pode ser quebrada).

– Aprendi que não adianta tentar padronizar o mundo através de regras criadas pelas nossas próprias réguas. Não é porque o meu quadril é grande e eu não gosto, que todas as outras pessoas de quadril grande devem disfarçar os seus. Não é porque você fez faculdade e tem sucesso, que o outro deve fazer faculdade para ter sucesso. Não é porque você emagreceu e fez dieta, que o outro não possa estar perfeitamente feliz com o próprio corpo. Não é porque você é gordinho e feliz, que o cara que acorda às 7 da manhã para malhar é um infeliz. Não é porque você é entusiasta da cerveja artesanal, que o outro é um idiota por adorar a industrializada. Ninguém tem a obrigação de ser da forma que você planejou.

Em 2015 (e a partir dele), ninguém “tem que” nada.

3 comentários sobre “Em 2015, ninguém “tem que” nada

  1. Descobri seu blog ontem através de um outro, o Futilidades, e estou amando! Que texto maravilhoso, bem escrito, atual, coerente. Virei fã! Parabéns!

    Responder

Deixe uma resposta para Alda Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s